I.P.I. - Intervenção Precoce na Infância

Natureza da Intervenção Precoce na Infância “Bem-Crescer”

 

É uma resposta social conjunta de medidas de apoio, integrada na comunidade que visa o acompanhamento centrado na criança e na família, mediante ações de natureza preventiva e reabilitativa, no âmbito da educação, da saúde e da ação social.

 

Destinatários

 

A Intervenção Precoce na Infância (IPI) é dirigida entre os 0 e os 6 anos e respetivas famílias que apresentem alterações (ou risco de alteração) nas funções ou estruturas do corpo que limitam o desenvolvimento individual, social, e a participação nas atividades adequadas à sua idade e contexto social.

Comparticipações Familiares

 

A IPI é uma resposta totalmente gratuita às crianças e famílias acompanhadas.

 

Como encaminhar/referenciar para a IPI

 

Qualquer entidade ou indivíduo poderá fazer referenciação de casos para a IPI, utilizando para o efeito a Ficha de Referenciação - SNIPI (http://www.arsalgarve.min-saude.pt/wp-content/uploads/sites/2/2016/12/Ficha_de_Referenciacao_snipi.pdf).

 

A Ficha de Referenciação poderá ser encaminhada para o Centro de Saúde da área de residência, Instituição Amigos dos Pequeninos (Largo 1º de Maio, 8300 – 116 Silves, ou para o email da equipa IPI: terapeutasbemcrescer@amigosdospequeninos.com). Para mais informações pode contactar-nos: 967 635 963

 

A Intervenção Precoce na Infância abrange as seguintes áreas:

Apoio Social​

Faz o diagnóstico social (avaliação das potencialidades da família, dinâmica familiar, levantamento das necessidades, avaliação da situação económica, habitacional e redes de apoio formais e informais; levantamento dos equipamentos sociais e recursos locais) e acompanhamento familiar (entrevistas de acompanhamento regulares, visitas domiciliárias, visitas aos estabelecimentos de ensino, amas, ou outros contextos), orientando a família e fomentado o papel preponderante que esta desempenha no processo de reabilitação da criança.

Informa, orienta e encaminha para recursos da comunidade, atuando como agente mediador com outros serviços (educação, saúde, segurança social, autarquias).


Facilita o desenvolvimento das relações interpessoais e em grupo, capacitando as famílias para assumir novos papéis, habilitando-as para a resolução dos próprios problemas, pelos seus próprios meios, promovendo a sua autonomia e participação.

Realiza planos de intervenção social, conjuntamente com a restante equipa técnica.
 

Apoio Educativo

​O trabalho da docente de educação especial com a criança, visa o treino de competências académicas específicas, nomeadamente o desenvolvimento da motricidade fina para atividades de pintura e escrita, estimulação cognitiva para reconhecimento de formas ou promoção da concentração; Treino de linguagem em atividades de conto e reconto de histórias, desenvolvimento de aprendizagem pelo uso das TIC e/ou outro material; resolução de problemas ao nível da funcionalidade; conhecimento das regras de sala de aula e sociais; Incentivo da autonomia.

Fisioterapia​​

A Fisioterapia centra-se, através de uma avaliação, na intervenção e prevenção de alterações do desenvolvimento psicomotor e neuromusculoesquelético da criança. O seu objectivo é desenvolver, em parceria com família, as necessidades e especificidades da criança de modo a que esta disfrute da sua infância e etapas seguintes com a melhor qualidade, integrando-se na comunidade.

Nas sessões de fisioterapia a avaliação/intervenção são realizadas através do brincar e tendo por base a estimulação do desenvolvimento da criança.

 
Terapia da Fala​​

A Terapia da Fala desenvolve atividades no âmbito da prevenção, avaliação e tratamento das perturbações da comunicação, linguagem, fala, motricidade oro-facial, deglutição/alimentação e funções associadas.

 

Nas diferentes áreas de intervenção são desenvolvidos os seguintes aspetos:

  1. Comunicação – verbal e não-verbal;

  2. Linguagem – verbal oral e verbal escrita;

  3. Fala – articulação, ressonância, voz, respiração, prosódia e fluência;

  4. Motricidade Oro-facial – musculatura envolvida nas funções da sucção, respiração, mastigação, deglutição e articulação;

  5. Deglutição/Alimentação – no desenrolar das fases deste processo – fase oral e faríngea.

 

Toda a intervenção é realizada em contexto natural da criança, com recurso a atividades lúdicas que promovem a estimulação e desenvolvimento comunicativo.

Terapia Ocupacional​​

A Terapia Ocupacional, pode abranger problemas diversos nos componentes sensório-motores, cognitivos, psicológicos e psicossociais, revelando-se na criança em dificuldades nas diferentes áreas de desempenho (Atividades da Vida Diária, Produtivas e de Lazer), dando ênfase ao desenvolvimento de competências que permitem à criança brincar, comunicar e relacionar-se com os outros de forma adequada e eficaz.

A intervenção recorre, frequentemente, ao jogo e à actividade lúdica como instrumento de trabalho e pode centrar-se em diferentes abordagens terapêuticas (psicomotora; integração sensorial; cognitiva-comportamental; tecnologias de apoio), de acordo com as necessidades individuais, motivações e interesses da criança e com as prioridades familiares, de modo a desenvolver o máximo de autonomia na sua vida pessoal, social e escolar.

 
Psicologia​​

O apoio da psicologia na Intervenção Precoce é centrado na criança e na família de forma preventiva e adaptativa, com vista a assegurar as condições facilitadoras do desenvolvimento da criança.

Realiza-se uma avaliação em contexto clínico e natural da criança, conjuntamente a uma recolha de informação junto dos pais e educadores sobre o seu desenvolvimento aos vários níveis: funções mentais, psicossocial e familiar.

A intervenção é realizada com recurso a atividades lúdicas (brincadeiras e jogos) de forma a promover as funções mentais (desenvolver a memória, atenção/concentração, perceção, raciocínio, inteligência, comunicação, e competências emocionais e sociais).